domingo, 16 de junho de 2013

Comecei a tricotar aos seis anos com uma agulha número 4 e lã para bebê. Ganhei da minha mãe um novelo rosa e um verde e comecei a tecer uma manta em ponto tricô. Ainda lembro muito bem como era ela. Trocava a cor a cada dez carreiras. Perdia os pontos e não sabia recupera-los. Corria atrás de minha mãe para que ela me auxilia-se. Terminei dois anos depois.
 Aos oito anos, após terminar a manta, ganhei da minha avó materna um curso por correspondência de tricô crochê e bordado do Instituto Universal Brasileiro. Foi a maior felicidade. Todo mês eu recebia as atividades e retornava com as tarefas. No inicio foi fácil, mas depois começou a ficar difícil. Eu só tinha oito anos e já bordava ponto cheio, ponto cruz, rococó, etc.
Não conclui o curso, mas  foi através dele que aprendi a interpretar as receitas o que permitiu que hoje eu consiga as vezes entender como se realiza um ponto ou uma peça só observando.
Dos oito aos doze tricotei polainas com restos de fios ou blusões velhos que eu desmanchava e reaproveitava. Aos doze anos fiz meu primeiro blusão de tricô.
Desmanchei uns blusões feitos com lã para maquina de tricô, juntei dois fios, pois eram muito finos e fiz meu primeiro blusão de lã. Foi uma felicidade só. Dali em diante, não parei mais. Inverno e verão  eu estou sempre tecendo algo. Em breve começarei a postar as fotos dos trabalhos que já realizei. Primeiro preciso aprender como se faz isto.       

Um comentário:

  1. Meus parabéns menina prendada!gostei de ver, assim como adorei sua visita. Venham lá esses trabalhos tem de mostrar que seu tempo foi muito bem aproveitado fequei curiosa...
    Um beijinho
    Mifá

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita! Comentários, sugestões e criticas são bem vindos. Volte sempre!!!